Catalina Ponor lidera Romênia em competição dramática #TE2016

A seleção romena, que será comanda pela penta medalhista olímpica Catalina Ponor, busca no próximo domingo a classificação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em agosto. Para isso, a seleção tri campeã olímpica e hepta campeã mundial precisa terminar entre as quatro primeiras colocações no domingo. Brasil, Alemanha, França, Bélgica, Austrália, Suíça e Coréia do Sul também brigam pelas vagas.

A Romênia, que tradicionalmente tem nas barras assimétricas o seu calcanhar de Aquiles, viu esse problema agravado por uma série de lesões das suas principais ginastas, como a Larisa Iordache, principal nome do país desde 2012, e Laura Jurca. Sem elas, a classificação para o evento em agosto fica quase impossível, uma vez que elas duas somavam pontos em todos os aparatos, mas principalmente nas assimétricas.

Andreea Irion, Catalina Ponor, Maria Holbura, Ana Ocolisan, Laura Diana Bulimar e Silvia Zarzu chegaram ontem ao Rio de Janeiro pada tentar classificar o país para os jogos. A não classificação domingo significa a eliminação do país e também o fim do sonho de participar de uma Olímpiada. Com isso, a Romênia teria direito a enviar uma única atleta para os JO, que naturalmente seria Iordache.

Problemas estruturais

A Federação Romena de Ginástica está afundada em escândalos de má administração e corrupção moral, com algumas atletas (segundo a mídia local) sendo selecionadas para as equipes nacionais devido interesses pessoais. Por isso, talvez, a FRG não tenha oferecido hm contrato a Octavia Bellu e Mariana Bitang, que já anunciaram a saída deles do CT após o ET.

Adrian Stoica, presidente da federação, disse em entrevista recentemente que o país não está tão ruim: os centros de treinamento estão em ótimas condições e que o principal problema do país é o biotipo das meninas, que é diferente do corpo das meninas de antes.

Sem comentários