#Euros2016: Bélgica, Bulgária e Bielorrússia [Jr]

Logo oficial da competição
O Campeonato Europeu de Ginástica Artística, edição de 2016, começa no dia 1º de junho, quinta-feira, para as meninas. Ele acontecerá na cidade suíça de Berna e contará com a participação de mais de 200 atletas na categoria feminina. Está é a última grande competição no continente antes dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em agosto. 

Com o aproximar da competição, decidi fazer uma avaliação prévia das seleções femininas - Junior e Sênior - que estarão presentes na competição. Hoje, então, começarei comentando três seleções que estão tentando voltar e/ou passar a integrar o grupo de elite da ginástica artística na Europa. 

Bélgica

A Seleção Belga de Ginástica Artística tem evoluído bastante nos últimos anos. Se compararmos o desempenho da Seleção Nacional Jr nos últimos três Campeonatos Europeus veremos que a evolução é inquestionável - talvez porque as ginastas novas sejam melhores que as anteriores, ou porque o código as favoreceram de algum modo, enfim, não vamos entrar nessa questão. Em 2010, esse país terminou na décima colocação na disputa por equipes, em 2012, em décimo segundo e em 2014, em sexto. Não acredito que elas possam repetir a sexta posição obtida em 2014, mas podem lutar por finais individuais por aparelhos.

As representantes do país para a competição desse ano são: Rinke Santy (15), Maellyse Brassart (15), Myrthe Potoms (15), Dimphna Senders (14), Imke Wolthuizen (14). A maioria delas participou do meet que aconteceu entre Romênia-Alemanha-Bélgica no começo de abril. Elas não têm muitas dificuldades em suas séries e, além disso, talvez por nervosismo, comentem muitos erros em suas rotinas, pequenos e também grandes - como quedas.

A Bélgica não competirá por um lugar no pódio por equipes, mas buscará melhorar a sexta posição obtida no último campeonato Europeu júnior. Minha aposta para liderar a equipe belga é na Brassart.

Bulgária

Outra seleção que não brigará por medalha por equipes, mas que poderá surpreender com alguma de suas atletas em uma final por aparelho. A Bulgária é a seleção desta lista com menos tradição e destaque internacional na modalidade. Pamela Georgieva, Yoana Yankova, Raya Ranchova, Jessica Hutchinson defenderão o país na competição.

A única atleta desse país que eu consigo ver em uma final individual geral ou por aparelho é a Giorgieva. Ano passado, no European Youth Olympic Festival, ela fora a melhor colocada do país em todos os aparelhos, mesmo não tendo avançado para nenhum final.

 Bielorrúsia

Aliaksandra Artsiukh, Hanna Traukova, Dziyana Kirykovich, Anastasiya Harodnaya e  Volha Mikhalap são os nomes escolhidos pela Bielorrússia para a competição. O país não dispõe de mais atletas, além dessas, que estejam elegíveis para competir em junho próximo na Suíça. 

Esta seleção também não tem chances de conquistar medalha por equipes, mas é importante para o país se sair bem nesta competição, já que as bielorrussas não conquistam um resultado expressivo desde a década de 1990. 

As atletas de destaque desse país são Artsiukh, Harodnaya e Traukova, que ano passado representaram o país no EYOF. Talvez a melhor atleta da BLR seja a Traukova:

Dessas três seleções, a com melhores condições e mais possibilidades de obter uma classificação é, sem dúvida, a belga, seguida pela búlgara e por fim a Bielorrúsia. Infelizmente, não dá pra fazer um levantamento com as melhores notas de algumas atletas desses países, pois a maioria delas nunca competiu em um evento de médio porte, ou por não ter encontrado informações na internet. 

Sem comentários